quinta-feira, 5 de junho de 2008

Pode o cristão participar de FESTA JUNINA?






CUIDADO!



É oportuno nesta época do ano falarmos sobre este assunto, visto que em muitas igrejas é comum principalmente entre os jovens comemorar ou tão somente promover uma chamada e conhecida popularmente FESTA JUNINA!

Não quero de maneira nenhuma ser hipócrita, visto que na minha total ignorância já participei, até mesmo na igreja desta festa, mas veja bem, na minha falta de conhecimento sobre a origem e significado desta festa do folclóre brasileiro. Antes das alegações rotineiras tais como: "Não comemoramos, apenas aproveitamos a época do ano para confraternizarmos"; "não tem nada a ver", "que mal faz", "é só mais uma festa"! Quero deixar bem claro que como servos de Deus temos que ter compromisso com a nossa identidade e principalmente com a sua Palavra!
Você já viu por exemplo um árabe participar de um Yom Kipur ou bar-Mitsvá judaico, mesmo sem comemorar os mesmos?
Ou um judeu de joelhos diante de um imagem de escultura, mesmo sem render adoração à ela?
Da mesma forma nós como cristãos comprometidos com a genuíuna fé cristã devemos nos abster de rituais e símbolos que por mais ingênuos que pareçam ser, na verdade, não o são!
vejamos a origem das festas juninas;
-Em primeiro lugar em nada tem a ver com o mês de junho por se tratar do nome:"festa junina" como alguns pensam. O termo junina corresponde à Juno, "deusa" da mitologia romana, seriam na sua origem festas dedicadas em homenagem aos ritos de plantio e colheita, fertilidade e paixão à esta entidade. (SURPREENDIDO!). Mais tarde esta festa pagã foi tomando um sentido mais religioso, a igreja católica criou, podemos dizer, um novo apelo popular para as festas juninas contando uma história bíblica porém com um cunho, digamos, mitológico:
"Nossa Senhora e Santa Isabel eram muito amigas. Por esse motivo, costumavam visitar-se com frequência, afinal de contas amigos de verdade costumam conversar bastante. Um dia, Santa Isabel foi à casa de "nossa senhora" para contar a novidade: estava esperando um bebê ao qual daria o nome de João Batista. Estava muito feliz por isso! Mas naquele tempo não havia muito meio de contato, "nossa senhora" queria saber como seria informada sobre o nascimento do pequeno João Batista. Não havia correio, telefone, assim Isabel combinou que acenderia uma fogueira bem grande que pudesse ser vista a distância. Combinou com "nossa senhora" que mandaria erguer um grande mastro com uma boneca sobre ele. O tempo passou e, do jeitinho que combinaram, Isabel fez. Lá de longe, "nossa senhora" avistou o sinal de fumaça, logo depois viu a fogueira e compreendeu a mensagem, foi visitar a amiga e a encontrou com o bebê nos braços, era 24 de junho. Daí começou então a ser festejado "São João" com mastro, fogueira e outras coisas bonitas, como foguetes, danças e muita comida. E ao lado da comemoração de São João, são comemorados Santo Antônio e SãoPedro." Como podemos ver foi acrescentado muita coisa que simplesmente não existe no texto Sagrado! Puramente lenda e mitologia!
Sobre as fogueiras:
-Há pelo menos duas explicações o porquê de seu uso: de um lado os pagãos que acreditavam que elas espantavam os maus espíritos, e de outro, os católicos que criam ser um sinal de prestígio.
Sobre os fogos de artifício:
-Eram utilizados na celebração para despertar São João e chamá-lo para as comemorações de seu aniversário. Já os portugueses acreditavam que os rojões tinham por finalidade espantar o diabo eos demônios.
Sobre soltar balões:
-Teria a intenção de levar recados ao santo, que seria atendido na medida que o balão subisse.
Sobre caminhar por cima das brasas:
-O ritual de banhar-se em fogo, cobrir o corpo com brasas ou andar sobre elas, está ligado à idéia de rejuvenescimento e purificação. Os primeiros registros que se têm sobre o ritual de andar nas brasas com os pés descalços datam das festividades em homenagem à deusa Diana, praticada em Éfeso até o primeiro século da era cristã. Durante a idade média, os camponeses ascendiam fogueiras para espantar as pestes dos cereais que seriam em breve colhidos. Dançar e saltar sobre as brasas tinha como intenção afastar os espíritos do frio e da fome.
Como podemos ver meus amados irmãos cada vez que ascendemos uma fogueira, colocamos trajes típicos, enfeitamos a nossa casa, salão ou qualquer outro lugar com os enfeites típicos em nada estamos fazendo diferente em relação a quem realmente cultua estas chamadas "entidades do bem". Pecamos sem saber, disse o profeta Oséias: "O meu povo foi destruído, porque lhe faltou o conhecimento." (Os 4.6). Muito embora você possa pensar que é natural, que não faz mal, pode acreditar, cada vez que você participa de tais festas em nada o difere dos antigos pagãos que cultuavam e acreditavam nessas lendas!
"QUANTO AO MAIS, IRMÃOS, TUDO QUE É VERDADEIRO, TUDO QUE É HONESTO, TUDO O QUE É JUSTO, TUDO O QUE É PURO, TUDO O QUE É AMÁVEL, TUDO O QUE É DE BOA-FAMA, SE HÁ ALGUMA VIRTUDE, E SE HÁ ALGUM LOUVOR, NISSO PENSAI" Fp 4.8

Um comentário:

cilene disse...

IRMÃO RODRIGO,APESAR DE NÃO CONHECER TODA A HISTÓRIA DE SÃO JOÃO NÃO CONCORDAVA COM O FATO DE CRISTÃOS FAZEREM ESTE TIPO DE FESTA,JÁ TEMOS TANTAS FESTAS, RETIROS, CONSAGRAÇÕES,SEMINÁRIOS CULTOS E OUTRAS COISAS E MAL DAMOS CONTA